Blog Ueepa!

Elysa Barranco dá uma lição de empreendedorismo, mas não conta o segredo de suas paletas!

Voltar ao Início

A vida pode ser mais saborosa, mas para isso você terá que seguir uma receita simples e um tanto quanto clichê. Misture a vontade de trabalhar com algo que você ame. Mas entenda, não é meia porção de cada ingrediente, são porções exageradas de ambos. Depois disso, não fique parado nem por um dia! Trabalhe arduamente. Esta é a receita de sucesso como empreendedora de Elysa Barranco. Em 2009, junto com seu marido, Miguel Mendonza, pensaram em abrir uma paleteria em Curitiba e hoje são 7 paleterias – das quais cinco são franquias.

Paleteria, Pioneira no Brasil

Resumidamente, Elysa, há alguns anos, largou tudo no Brasil para ir morar no México com seu marido – que é mexicano – e sua filha. Lá, virou consumidora fanática de paletas e pensou “isso no Brasil iria dar muito certo”. Pois bem, em 2009 eles voltaram ao Brasil e já no trajeto, resolveram colocar a ideia em ação.

Entre ter uma ideia e colocá-la em pratica existe uma distância enorme. Eles ficaram desde que chegaram até abril de 2011 arquitetando o negócio. Na época, não havia paleterias na cidade, foram os pioneiros! Trouxeram um paletero do México e fizeram cursos, afinal para ambos era um mundo novo que estava surgindo. No ano de 2010, além da construção do espaço que tinha sido milimetricamente pensado para trazer um pouco da cultura mexicana, estudaram, testaram e inventaram receitas.

Em setembro de 2011, já havia uma fila de pessoas aguardando espaço para entrar na Paleteria. O sucesso já estava consagrado nos primeiros meses, mesmo sem as pessoas saberem direito o que era uma “paleteria”. “Desde o início, sabíamos que ia dar certo, mesmo sabendo que enfrentaríamos algumas dificuldades. As pessoas não sabiam o que era uma paleteria. Alguns entravam e pediam pastel”, conta ELysa.

Mas as dificuldades não eram apenas de apresentação do produto, a burocracia e os impostos no Brasil também se mostraram como grandes obstáculos iniciais. Além disso, Elysa conta que foi difícil lidar com alguns funcionários e entender que algumas pessoas não teriam afinidade com o perfil dela e sairiam do time. “Hoje entendo que isso é normal e valorizo aqueles que ficaram e fazem parte da nossa história”, comenta ela.

A ideia era boa. Foi executada com muito profissionalismo. A qualidade do produto era a melhor possível e esse era um dos diferenciais que eles tinham quando a concorrência começou a surgir. Nos anos seguintes, o Brasil entrou em uma onda de paleterias. O produto começou a ser a nova paixão do brasileiro. Muitas paleterias surgiram e, é claro, isso afetou os resultados da Paleteria.

“Nosso público sabia diferenciar nosso produto dos demais porque o sabor e a qualidade eram percebidos. Nós trouxemos um pedaço do México, da cultura mexicana - desde a decoração, o sabor da verdadeira paleta mexicana, até a música. Tentaram nos copiar, mas nós conhecíamos as paletas mexicanas como nenhum outro. Compramos a fruta fresca colhida no dia da produção. Nada de frutas congeladas, polpas, saborizantes, sem gordura hidrogenada. Enfim, fazemos tudo para ser perfeita! Claro que também temos um segredinho de produção que ainda não conseguiram descobrir!”, conta Elysa.

O sabor das paletas que eles produzem muda um pouco de acordo com a época do ano, pois eles usam pouquíssimo açúcar, sobressalta o real sabor da fruta, que em diferentes épocas do ano são mais doces, mais aguadas, mais azedinhas, enfim, varia de acordo com a colheita.

“Orgulho-me em dizer, que nossas paletas são realmente artesanais”, complementa ela. O sabor “morango com leite condensado” – inventado por eles, que não existia nem no próprio México – é o queridinho do público, sendo responsável por quase 50% das vendas.

Hoje, Elysa e Miguel, estão acima do patamar que imaginaram lá no início. “Pensei em ter três lojas em Curitiba, porém o resultado foi ainda melhor. Hoje temos 7 lojas, 2 próprias e 5 franquias. Temos também uma nova fábrica. É claro que quero crescer mais, porém, não muito mais, pois sei que preciso preservar a qualidade. Esta é minha principal preocupação. E para isso, é preciso ter os pés no chão”, diz a empreendedora.

Mas e no inverno, será que as vendas caem? Pois bem, em Curitiba a temperatura já é um pouco mais baixa, então as pessoas estão mais acostumadas. “Estamos sempre inovando. Criamos receitas novas, diferenciais para manter o ritmo. Hoje temos as paletas que podem ganhar coberturas, ou seja, as pessoas podem jogar coberturas feitas na hora - de chocolate branco ou preto - , crosta de amendoim, flocos de milho, entre outros. Isso foi um chamariz incrível”, comenta Elysa.

2015 um ano de aprendizado!

No auge da Paleteria, eram vendidos quase 7 mil unidades por dia. Ao mês, as vendas ficavam entre 60 a 80 mil paletas. Entendem agora o significado da palavra sucesso? Chegaram a ter 35 funcionários. Mas o jogo mudou! E o casal teve que se adaptar a nova realidade. Afinal, a “fase difícil” não era apenas para eles, era para todo o Brasil.

“Os insumos aumentaram muito e mesmo assim mantemos os valores das nossas paletas. Nesses cinco anos de existência só aumentamos os valores duas vezes”, conta a empreendedora. O corte aconteceu de diversas formas: diminuíram a quantidade de produção diária, a quantidade de insumos comprados, tiraram alguns sabores do cardápio - de 70 para 20 -, alguns outros viraram sazonais (de acordo com a fruta, pois o valor também varia com a sazonalidade), diminuíram o número de funcionários – hoje são 20. Enfim, as vendas caíram pela metade. “Confesso que tive medo, mas em nenhum momento pensei em desistir, sempre tive muita confiança em meu produto. Entendi que era um momento delicado, que tínhamos que centrar e enxugar. Aprendemos muito com tudo isso. E este ano de 2016, sabemos que temos que andar miudinho, com muita moderação e equilíbrio, para que em 2017 voltemos a colocar nossos planos em prática”, relata Elysa.

Conselho de um empreendedor

Não há fórmula mágica, mas o trabalho somado ao trabalho, trabalho e, é claro, ao amor.

© 2024 Ueepa!